.

.
(Artº Quarto dos Estatutos)

CT1IJ SK

 

A TRGM cumpre o doloroso dever de anunciar que o nosso membro Frederico-CT1IJ fez, hoje, SK.

Apesar dos seus quase 90 anos que concluiria no corrente ano e das suas debilidades físicas, o Frederico continuava muito lúcido e interessado no radioamadorismo, sempre procurando notícias e, aguardando as melhoras, para instalar uma vertical que lhe permitisse operar as bandas de HF.

Esta noite, o seu martirizado coração não aguentou e parou.

Descanse em paz.

À Família enlutada a Tertúlia manifesta sentidos pêsames.

WSPR



 O WSPR (Lê-se [uíspar] “sussurro” em português) sigla de “Weak Signal Propagation Reporter” é um protocolo, para computador, usado para comunicação de rádio de sinal fraco entre  radioamadores, desenhado por Joe Taylor-K1JT há poucos anos.

Como o próprio nome indica é uma transmissão de sinal fraco, em regra 200mW e permite descodificar sinais de -23dB numa banda com a largura de 2500 Hz.

Destina-se, fundamentalmente, a determinar a propagação por local e por banda. É o verdadeiro "propagaciómetro"  de que falava o Filipino (RIP).

Acoplado a um sistema de antenas permite determinar, em breves minutos,  qual a que se encontra em melhores condições (Sim/Não) para aquele local.

Os sinais recebidos são carregados, automáticamente e no momento, numa base de dados mundial com o nome de WSPRnet https://wsprnet.org

O programa, em código aberto, tem vindo a ser desenvolvido por vários OM e conta, atualmente, com cerca de 56.000 utilizadores em todo o mundo em TX e RX.

Os equipamentos utilizados são desde a construção caseira ou fabricados por QRP Labs, Sotabeams ou Zachtek, com as suas diferenças e para várias bolsas.

Para quem se queira documentar sobre o assunto encontra na Web muita informação digitando WSPR.


 baliza que ilustra este escrito é a versão TX Desktop 80to10 da Zachtek (Suécia) de 200mW, equipado com GPS que não necessita de PC podendo funcionar de qualquer lugar com uma fonte de 5V 1A .

Baliza autorizada pela ANACOM.


Sinta-se à vontade para usar, (basta selecionar o indicativo da baliza “CT1BAT” que está a funcionar, 24hx7d, desde Coimbra (IN50SE) ligada a uma EFHW 40M, em sloper a 45º .





Pérolas: - Radioamadores de Coimbra em 1977

 Durante as Festas de Penela em 1977.

Por ordem de entrada: o Xico Aroso-CT1XN, o Nascimento-CT4HR, o Filipino-CT1MX (Fundador da Tertúlia) e o Sr. Neves da Costa (Neves dos Vidros)-CT1CZ, o primeiro radioamador de Coimbra, licenciado em 1927.

Todos já SK.


Até sempre Amigos e TKS.


Novo decreto entregue ao Governo para publicação

 " ANACOM entrega ao Governo anteprojeto de alteração das regras do radioamadorismo com o objetivo de contribuir para o respetivo desenvolvimento


O radioamadorismo compreende os serviços de amador e de amador por satélite, constituindo serviços de radiocomunicações definidos no Regulamento das Radiocomunicações da União Internacional das Telecomunicações (UIT), cuja gestão cabe à ANACOM, no âmbito das suas competências de gestão do espectro.

A ANACOM na prossecução da sua missão tem como considerado importante a promoção e valorização desta atividade, nomeadamente junto das novas gerações.

De facto, além de ser uma atividade lúdica, o que também por si é importante, importa assinalar especialmente a sua pesquisa no âmbito da experimentação e da investigação das radiocomunicações, no fomento da educação dos mais jovens nas ciências rádio, no fortalecimento do espírito de interajuda nas comunidades onde os amadores de rádio se inserem, nenhum estabelecimento de comunicações por parte daqueles que vivem em zonas remotas e, mesmo, em situações extremas, o contributo para o auxílio às situações em situações de emergência ou de catástrofe.

Neste enquadramento, a ANACOM entregou ao Governo um anteprojeto de alteração do Decreto-Lei que define as regras aplicáveis ​​aos serviços de radiocomunicações de amador e de amador por satélite, bem como o regime de estabelecimento de certificados e autorizações especiais aos amadores e de licenciamento de estações de uso comum.

A proposta da ANACOM visa consolidar uma proposta anterior de alteração ao mesmo diploma, apresentada ao Governo em 2016, através da qual então se visava atualizar e modernizar alguns procedimentos.

O anteprojeto de Decreto-Lei que agora se apresenta dá continuidade ao processo desenvolvido entre 2016 e 2019 entre o Governo e esta Autoridade, bem como sequência aos trabalhos mais recentes desenvolvidos em 2020 e 2021 de forma colaborativa com amadores e associações de amadores, que enviar à ANACOM contributos no sentido de melhorar o atual quadro normativo dos serviços de amador e amador por satélite.

De entre as mudanças de alteração, face ao atual quadro regulamentar, destaca-se:

a) A categoria 3 torna-se uma categoria permanente, deixando de haver um tempo máximo de permanência nessa categoria, e os amadores desta categoria de entrada ficam com a possibilidade de emitir autonomamente em frequências fixadas numa norma transitória até à alteração do Quadro Nacional de Atribuição de Frequências (QNAF).

b) Deixa de haver tempos combinados de progressão entre categorias, deixando-se à responsabilidade do amador a decisão de realizar, na altura em que entender que está preparado, cada um dos exames de progressão nas várias categorias.

c) Deixa de haver uma idade mínima de acesso à atividade. Contudo, os amadores menores de 16 anos só precisam fazer exame com permissão de escrita de quem exerça a respetiva responsabilidade parental ou tutela, nos termos da lei civil, e só podem usar os dispositivos de supervisão por amadores maiores de idade de categorias ou superiores no acesso às faixas do espectro.

d) Previsões ampliadas, reduções das taxas de exame - para menores de 25 anos, maiores de 65 anos e portadores de incapacidade - e a supressão, à semelhança do que já se verifica em outros países, da taxa anual de utilização do espectro pelo titular de Certificado de Amador Nacional (CAN), medida com a qual se visa fomentar a utilização dos serviços de amador e de amador por satélite, como meio de divulgação e tecnologia no âmbito das comunicações eletrónicas em geral e das radiocomunicações em particular, promovendo-se ainda o acesso da população em geral, designadamente dos mais jovens, ao contato com as radiocomunicações por intermédio do radioamadorismo. "


------------------------

Este é o resultado final dos contributos de várias entidades, chamadas pela Anacom, sendo a proposta da ARRLx + TRGM a constante do comunicado que publicámos em 09/10/2021